Marquioni
 
 
 
 
Você no Marquioni.com.br
Em breve, você poderá ser um articulista em nosso site. Cadastre-se!
 
Técnico vs. usuário: uma análise do processo comunicacional na Engenharia de Requisitos de Software
Clique aqui para mais informações de como adquirir o livro.
 
 
   
     
 
 
     
 

Selecionar idioma:

Paixões Efêmeras – Proposta de Análise
 
 
Autor Carlos Eduardo Marquioni, M.Sc., PMP
 

Resumo:

Este trabalho propõe alternativas para realizar um estudo das paixões efêmeras, que duram o tempo de um olhar. É utilizada como referencial teórico a reflexão elaborada por Walter Benjamin em relação aos poemas escritos por Charles Baudelaire. Note que este trabalho tem como objetivo apenas apontar caminhos que podem ser explorados de forma mais aprofundada em um eventual estudo futuro. Logo, não deve ser lido como um projeto de pesquisa, nem tampouco como uma pesquisa concluída. Serão objetos nesta proposta de análise o poema A uma passante, de Charles Baudelarie, o conto Tentação de Clarice Lispector, e um trecho do filme Sábado, de Ugo Giorgetti.
 
Palavras-chave: Comunicação; corpo; olhar.
 

1. INTRODUÇÃO

 Em análise teórica da obra de Charles Baudelaire elaborada por Walter Benjamin, o filósofo associa as paixões efêmeras, que duram o tempo de um olhar à vida nas grandes cidades, e relaciona o surgimento dos meios públicos de transporte a este tipo de comportamento, típico das metrópoles. As associações são justificadas devido à necessidade de as pessoas se adaptarem a uma nova realidade a partir do surgimento do transporte coletivo: a valorização do caráter visual.
 
O filósofo trata da questão utilizando vários autores, com destaque para citação que faz de Georg Simmel, segundo a qual “antes do desenvolvimento dos ônibus, dos trens, dos bondes [...] as pessoas não conheciam a situação de terem de se olhar reciprocamente por minutos, ou mesmo por horas a fio, sem dirigir a palavra umas às outras” (SIMMEL, 1912 citado por BENJAMIN, 1997, p. 36).
Este aspecto contemplativo, possibilitado inicialmente pelo surgimento deste tipo de transporte no “século XIX” (ibid.), foi incorporado ao cotidiano das pessoas e acabou associado ao ato das pessoas trocarem olhares sem necessariamente se falarem, uma vez que há “notória preponderância da atividade visual sobre a auditiva” (ibid.).
 
A presente proposta de análise inicia a partir do estudo elaborado por Benjamin para o poema A uma passante de Baudelaire. Este poema foi escolhido para fazer parte deste trabalho por tratar da paixão efêmera desenvolvida por um homem em relação a uma mulher quando eles se cruzam na rua, paixão esta que dura o tempo dos olhos se desviarem.
 
Em seguida, é feita uma adaptação e expansão do conceito proposto por Walter Benjamin para além dos limites das grandes cidades. Esta linha de análise foi proposta por se entender que a modernidade deixou de ser exclusividade das metrópoles, tornando essas paixões efêmeras passíveis de serem observadas também em cidades menores. Para essa adaptação será utilizado o conto Tentação, de autoria de Clarisse Lispector. Este conto foi selecionado pois é possível traçar vários paralelos de análise com o poema de Baudelaire e com as análises de Walter Benjamin. Estes paralelos serão apresentados a seguir.
 
Finalmente, o trabalho analisa como o cinema e um comercial de perfume, propostos no filme Sábado de Ugo Giorgetti, fazem uso dessas paixões efêmeras, associando-as ao mundo da propaganda. Este filme foi selecionado pois no comercial que é gravado ao longo da história contada, há uma troca de olhares, semelhante àquela da passante de Baudelaire e do conto de Lispector, contudo com um final diferente.

2. ANÁLISES PRELIMINARES

2.1 A UMA PASSANTE

O soneto A uma passante de Charles Baudelaire apresenta uma situação em que um casal se cruza enquanto caminha numa via pública. A metrópole é o palco do encontro pois ele se dá em uma rua movimentada e o poeta se apaixona durante o tempo que leva para cruzar sua amada.
 
A metrópole é sugerida através do comentário que a rua onde se dera o encontro “era ensurdecedora vaia” (ALMEIDA, s/d, p. 91), mas é interessante notar que “nenhuma expressão, nenhuma palavra designa a multidão no soneto [...] no entanto, o seu desenvolvimento repousa inteiramente nela” (BENJAMIN, 1997, p. 117).
 
A paixão é evidenciada quando o poeta afirma que o olhar da sua amada o “fez nascer segunda vez” (ibid.) e o caráter efêmero fica claro quando o autor comenta que a “mulher passou [...] [e o poeta crê poder revê-la apenas] na eternidade [...] [ou] nunca talvez” (ibid.). É importante reforçar o caráter fugaz do encontro, por se tratar de “um amor não tanto à primeira quanto à última vista [...] [em] uma despedida para sempre, que coincide [...] com o momento do fascínio” (id., p. 118).
 
Vale ainda destacar que Benjamin afirma que “Baudelaire não deixa nenhuma dúvida de que tenha olhado fundo nos olhos da mulher que passa” (id., p. 43): tudo indica que a paixão, ainda que efêmera, foi correspondida. Walter Benjamin faz outras reflexões sobre o poema de Baudelaire que serão apresentadas e utilizadas como relações possíveis entre os objetos estudados na terceira e última parte desta proposta de análise, que trata exatamente de elos que podem ser estabelecidos entre as obras estudadas.

2.2 TENTAÇÃO

No conto Tentação, Clarice Lispector narra um encontro de olhares entre uma menina com soluço, sentada à frente de sua casa em um dia de calor e um cão. Evidentemente trata-se de tipo de paixão efêmera, que não é aquele proposto por Baudelaire, e o que está em questão neste caso é a paixão desenvolvida por uma criança por seu potencial animal de estimação. O palco do encontro é uma pequena cidade e a paixão da menina pelo cão dura o tempo dele dobrar a esquina conduzido por sua dona.
 
A pequena cidade é evidenciada quando a autora diz que a “rua [estava] vazia [...] [e havia] só uma pessoa esperando inutilmente no ponto do bonde [...] [apesar de] na rua deserta [não haver] nenhum sinal de bonde” (LISPECTOR, 1998, p. 67). A paixão neste caso é justificada quando a escritora diz que “entre tantos seres que estão prontos para se tornarem donos de outro ser, lá estava a menina que viera ao mundo para ter aquele cachorro [grifo meu]” (id., p. 68). Finalmente, o caráter fugaz é apresentado neste caso quando o narrador diz que a menina acompanhou o cão “com olhos pretos que mal acreditavam [...] até vê-lo dobrar a outra esquina” (id., p. 69).
 
Se, no caso do poema de Baudelaire, Walter Benjamin afirma que o olhar foi correspondido, neste caso a própria autora deixa isto evidente ao afirmar que “o cachorro estacou diante dela. Sua língua vibrava. Ambos se olhavam” (id., p. 68).
 

2.3 SÁBADO

 
O filme Sábado apresenta a gravação de um comercial do perfume Winter em um prédio antigo, localizado na região conhecida como centro velho de São Paulo. No comercial, “os atores, uma jovem e um jovem, devem encontrar-se quando ela está saindo do elevador social [...] e ele entrando. Devem cruzar os olhares ao mesmo tempo” (GOMES, 2001). No final do filme, enquanto o comercial gravado é apresentado ao público, uma voz narra a propaganda permitindo algumas análises. A íntegra da narrativa é a que segue:
 
[...] Winter é para aqueles momentos que você menos espera. Winter tem um perfume suave e envolvente que fica mais tempo na pele, dando uma prolongada sensação de frescor e bem estar. Winter transforma o seu dia num dia inesquecível. Winter, o prazer que fica (SÁBADO, 1995).
 
No caso do filme, é possível supor que o encontro ocorre em uma metrópole pelas roupas que os personagens do comercial vestem e pelo aspecto sofisticado do elevador onde se passa a cena. Além disso, o comentário do narrador que o perfume “fica mais tempo na pele” (ibid.), induz à não necessidade de várias aplicações ao longo do dia, possibilitando tempo para executar outras atividades do dia-a-dia das grandes cidades. Também é possível supor se tratar de uma metrópole pois, se no caso do poema de Baudelaire a multidão é o refúgio da amada e no conto de Clarice a cidade está vazia, no cenário do filme as pessoas se cruzam sem se olhar inicialmente; isto pode ser justificado em virtude da pressa, uma vez que não há mais ninguém em cena – apenas o casal que se apaixona.
No caso da propaganda não há dúvida que os personagens se olharam, mas a troca de olhares parece motivada pelo perfume exalado. Essencialmente o argumento é idêntico às outras obras analisadas: uma paixão despertada quando há uma troca rápida de olhares. Contudo, no caso da propaganda há um desfecho diferenciado, pois após a troca de olhares, o casal se abraça e eles partem juntos no elevador enquanto o homem sente o perfume no pescoço da mulher.
Após essas considerações iniciais apresentadas, a narração poderia ter alguns comentários acrescentados:
 
[...] Winter é para aqueles momentos que você menos espera [o encontro casual]. Winter tem um perfume suave e envolvente que fica mais tempo na pele, [mesmo com a correria da vida moderna] dando uma prolongada sensação de frescor e bem estar [, possibilitando a execução de outras tarefas]. Winter transforma o seu dia num dia inesquecível [pois pode chamar atenção do admirador que não havia notado a amada anteriormente]. Winter, o prazer que fica [logo, prolonga as paixões efêmeras] (SÁBADO, 1995).
 

3. ELOS E REFLEXÕES A DESENVOLVER

 
Uma primeira reflexão que pode ser desenvolvida a partir dos objetos apresentados trata o fato de Walter Benjamin considerar a multidão como “o refúgio do amor que foge ao poeta [...] [e] o nunca da última estrofe [...] [ser] o ápice do encontro, momento em que a paixão [...] brota do poeta como uma chama” (BENJAMIN, 1997, p. 42-43). No caso do poema de Baudelaire isto é totalmente aplicável. O conceito pode ser expandido, contudo, no caso do conto Tentação, em que a cidade em si, mesmo que pequena, possibilita tal refúgio uma vez que a paixão da menina pelo cão durou “até vê-lo dobrar a outra esquina” (LISPECTOR, 1998, p. 69); pode haver expansão do conceito de Benjamin também no caso do comercial, pois o casal, mesmo tornando a paixão menos efêmera, ainda procura refúgio em alguma parte da cidade, ao partir usando o elevador.
Benjamin durante sua análise de Baudelaire dá conta também do fato de “a multidão [...] [ser] também o [...] entorpecente do abandonado” (p. 51). Neste sentido, a análise do conto Tentação permite associar abandono ao calor. A propaganda apresentada no filme Sábado parece associar abandono à pressa.
 
Merece estudo também a aparência. Walter Benjamin comenta que a roupa preta vestida pela passante de Baudelaire eram em sua época sinônimo de modernidade, o que contribuiu “para a profunda fascinação que a transeunte enlutada do soneto exerceu sobre o poeta” (BENJAMIN, 1997, p. 76). Enquanto “o preto e o cinza” (ibid.) transmitiam modernidade, o poeta “quer ser lido como um escritor da antiguidade” (id., p. 88): isto torna a passante “toda de luto” (ALMEIDA, s/d, p. 91) definitivamente inacessível.
 
As cores são tratadas também no conto Tentação. Na obra de Lispector, a menina “era ruiva [...] [e o cachorro que ela vê] era um basset ruivo” (LISPECTOR, 1998, p. 67-68). Embora neste caso houvesse identidade neste aspecto, “ambos eram comprometidos. Ela com sua infância impossível [...]. Ele, com sua natureza aprisionada” (id., p. 68-69): isto inviabiliza a paixão duradoura no caso do conto. No caso do comercial o aspecto visual é tratado em detalhes, inclusive para permitir um final feliz pois “os atores [...] usam roupas muito elegantes” (GOMES, 2001). Com isso, o problema do poeta não será sentido. O fato de ambos os personagens serem jovens também auxilia no desfecho. Para a propaganda, o final feliz é associado ao prolongamento da paixão efêmera e casual, que ocorre naqueles “momentos que você menos espera” (SABADO, 1995). Evidentemente, está neste prolongamento a justificativa para consumir o produto anunciado.
 
Outro elo possível é associado ao fato que tanto em Tentação quanto no filme Sábado há citações a transporte coletivo, remetendo ao caráter contemplativo proposto por Walter Benjamin durante os estudos da obra de Baudelaire. No caso do conto, existe a já citada referência à “pessoa esperando inutilmente no ponto do bonde” (LISPECTOR, 1998, p. 67); em Sábado, o fato do encontro entre os personagens ocorrer em um elevador remete novamente ao filósofo.
 
Evidentemente é possível traçar muitas relações entre as obras escolhidas, e mesmo ampliar o referencial teórico para explorar o tema sob outros aspectos, como por exemplo sob uma perspectiva semiótica. Cabe na seqüência detalhar a relevância do tema, bem como desdobramentos possíveis que justifiquem a elaboração de uma pesquisa mais detalhada.


[1] Este artigo foi adaptado a partir de trabalho produzido para a disciplina Corpo, Indumentária e Comunicação do Mestrado em Comunicação e Linguagens, da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), em julho de 2006.
[2] marquioni@marquioni.com.br – Mestre em Comunicação e Linguagens (UTP/2008) e Bacharel em Análise de Sistemas (PUC-Campinas/1994).
 
 

Referências

ALMEIDA, Guilherme de. Flores das “Flores do Mal” de Baudelaire. Rio de Janeiro: Ediouro, s/d.
BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire – Um Lírico no Auge do Capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1997.
GOMES, Cláudia Espíndola – Sábado, de Ugo Giorgetti: Uma leitura Bakhtiniana. In: _____. Revista Linguagem em (Dis)curso Unisulhttp://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/0102/20.htm. Acesso em: 27/07/2006., Tubarão, v.1, n.2, jan.-jun./2001. Disponível em:
LISPECTOR, Clarice. Tentação. In: ___.Felicidade Clandestina (pp. 67-69). Rio de Janeiro: Rocco, 1998.
SÁBADO. Ugo Giorgetti. Manaus: Iguana Filmes, 1995. 1 VHS (85 min.): son. (português), colorido, NTSC.
 
 
 
 
 
Selecionar idioma:
 
Artigos  |  Seja um Articulista  |  Cadastre-se  |  Links  |  RSS  |  Administrar
pH Design Desenvolvido por pH Design | Copyright © 2008